terça-feira, 9 de junho de 2009

O Papa é Pop?


Homem no mictório é igual a motoqueiro no farol, pára, relaxa as pernas, dá primeiro uma olhada para cima, se concentra num pensamento e virá para conferir o tamanho da máquina do outro.

Alguma coisa me diz, que esse não é um bom jeito de começar uma crônica, mas tinha que começar causando impacto. Li numa pesquisa, que quando o leitor chega ao terceiro parágrafo ele tende a ler todo o texto, por isso às primeiras linhas devem ser muito provocativas à leitura, assim você garantirá o leitor nas linhas subseqüentes.

É, eu sei, uma grande besteira, mas quis tentar com vocês, vai que funciona, além do mais esse já é o 3° parágrafo, se você chegou até aqui, objetivo alcançado, sinal que provavelmente você irá até o final desta crônica, agora não seja malvado(a) tentando provar que eu estou errado e pare de ler, vai até o final pô!

Hoje na vida, para você conseguir atenção tem que usar algum artifício, seja para vender seus produtos, para conseguir uma namorada, para ser escolhido como o representante de grupo, ser promovido no emprego, e até mesmo virar político. Vai ver é por isso que tem tanto palhaço no planalto central.

Na religião também é assim, algumas igrejas compraram canais, outras mantém programas diários de seus cultos, sites modernos, fiéis que passam no seu portão domingo 8 horas da manhã, enfim, se utilizam de todos artifícios para te chamar a atenção à salvação. Não só a forma de chamar, mas o próprio culto à Deus foi todo revisto, e hoje são atrativos, extremamente profissionais, espetáculos que atraem pessoas de todas as idades, etnias e classes sociais. Domingo fui ao noivado de um amigo, e assisti um culto assim, que poderia tranqüilamente se apresentar no teatro municipal, pois se tratava de um verdadeiro show.

Primeiro você chega a igreja, é abraçado, olhado nos olhos, coisa que no dia a dia, você não tem mais, a sociedade hoje é gelada. Depois você senta, ouve uma melodia de fundo, a igreja fica escura, foco de luz direto no palco, e a banda começa tocar um canção cheia de vibração, com melodia forte e com um refrão, que gruda na cabeça, fácil de decorar, os músicos pulam, os membros da igreja cantam junto, fica aquele canto em uníssono, coisa linda e você de boca aberta, encantado com o que vê, pois canta mesmo, só no refrão.

O som da banda desce, agora já é uma baladinha, quando você ouve uma voz de fundo, é o pastor. Fala um texto lindo, pregando o amor, a palavra de Deus, primeiro ele declama, vai subindo o tom de voz, a banda vai acompanhando, elevando o som com o ritmo de sua voz, a igreja se inflama, e todos explodem de uma só vez, como se fosse o ápice do culto, agora são banda e fiéis entoando o louvor, enquanto no palco, o pastor com os braços para céu e uma luz fixa nele, grita e gesticula o poder que sente naquele lugar. De fato uma grande apresentação.

O líder da igreja, diz que daqui a pouco terá uma novidade para todos os irmãos, mas pede que aguardem, antes irá ler um ou dois versículos, você fica ansioso, mas o pastor segura a platéia (fiéis), ele é bom nisso, um grande animador de palco (orador). Mais músicas para Deus, intercalam-se uma balada e uma agitada, dando ritmo ao culto. O Pastor volta ao palco, fala novamente sobre a tal novidade, mas antes apresentará uma dança, chama a fiel, que apresenta seu número, deixando a platéia ainda mais ansiosa.

A dança acaba, suspense! Será agora a novidade? Não! Primeiro mais uma oração, agora coletiva de toda igreja. A expectativa toma conta de todos, até penso que ele dirá que anunciara só no próximo culto, pois o tempo deste acabara, mas para minha alegria, ele finalmente anuncia. Fala do noivado de meu amigo, esse que é apresentação especial da noite, que segura a audiência da igreja, com direito a uma salva de palmas. De fato, um grande espetáculo, de luzes, músicas, dança. Um verdadeiro show!

E no domingo que vem tem muito mais, no mesmo horário e mesmo canal, quer dizer, na mesma igreja.

11 comentários:

Net Esportes disse...

religião virou negócio hoje em dia .... não sei se sou contra ou não, pois no caso do padre Marcelo Rossi por exemplo que implantou a música e tal ele pelo menos no meu modo de ver mantém muitos principios da fé e tudo mais do mundo católico, nos outros prefiro não opiniar por respeito.

melke disse...

POxa.. só faltaram os "reclames do plim plim" e os merchans. rs
Adorei o título.. Me lembrou a minha infância, quando passava perto da praça do papa em Vitória-es, eu e minhas sempre cantávamos a música.

O que prende mesmo é a curiosidade. Se você não tivesse falado no começo no noivado do seu amigo, o povo que lê ia ficar muito mais curioso quanto a notícia do pregador.

Romero Cezar disse...

Boa discursão!!!

Wander Veroni disse...

A religião já virou indústria há muito tempo...hehehe. Gostei da forma como vc explicou os artifícios para se prender a leitura.

Abraço

liizandra disse...

bom assunto..
ohohoh'
adorei o estilo do papa, ficaria bem melhor se ele fosse punk.
ié.

|m|

Edu Freitas disse...

Show completo realmente, apenas porque as pessoas parecem não se contentar com menos que isto.

Ahh, adotei seu post, agora adota um meu também, tenho três a sua escolha:

Blog de Fantasia

http://outerzone1.blogspot.com

Blog de Horror

http://zonacrepuscular1.blogspot.com

Blog de sátira corporativa:

http://habilis1.blogspot.com

Abs do Edu a todos!

Fernanda Lemos disse...

'E cada um sabe o que fazer na hora em que faz', né não?

Tô de volta ;*

mariana disse...

CADE O TEXTO DESSA SEMANA????

Lari. disse...

"Pequenas igrejas, grandes negócios". Já ouviu isso, né?!

De qualquer forma, um show não acontece por si só. Na igreja ou em qualquer outro lugar. Se a audiência não aceitar se portar como público de um espetáculo, o show não acontece.

E quanto à teoria do terceiro parágrafo... Bem, pode até ser. Mas não percebo que isso me influencie. Minha vontade de ler um texto vai pelo assunto, pela forma em que este foi escrito e, claro, pelo meu humor!

;)

Valentina disse...

Não entendi qual parte do culto te encomodou tanto pra virar assunto de um post?
De fato só vemos aquilo que queremos.

Vivi disse...

Concordo com a Valentina no 1º post