terça-feira, 26 de janeiro de 2010

São Paulo de fulano, sicrano e beltrano


Nesta crônica não serei irônico ou ardiloso, prometo, afinal, é uma crônica comemorativa de 456 anos da cidade de São Paulo. Cidade de fulano, sicrano e beltrano, São Paulo nossa, acolhedoramente nossa.

Para fazer uma singela homenagem, posto aqui a letra de uma música sobre São Paulo, até caio em clichê, eu sei, mas que seja clichê, o que importa é, que a música tocada em meus ouvidos e cantada por minha voz é "Sampa", do Caetano Veloso. Logo eu, que não possuo nenhuma afinidade por suas canções, mas mesmo assim essa música me marca.

Claro que não só a mim, deve marcar muitas outras pessoas, como marca época também, tanto que se fosse escrita hoje, talvez ao cruzar a Avenida Ipiranga com a São João, ele não sentiria algo preencher o seu coração e sim sumir de seu bolso, ou ao invés de "a dura poesia concreta de tuas esquinas", descreveria, “a dura pichação no concreto de tuas esquinas”.

São Paulo é assim, enorme, que muda de forma muito acelerada, sofre uma mutação desenfreada como relata sua música. Pergunto-me se hoje os novos baianos apenas passeariam na terra da garoa, ou mergulhariam em suas enchentes assustadoras.

Uma coisa é certa, não só os novos baianos, mas todos podem curtir São Paulo numa boa, que é uma cidade maravilhosa e muito acolhedora, aliás, como diria Juca Kfouri, fã confesso do Caetano, o único problema de São Paulo é não chamar-se Corinthians.

Como pode notar, não cumpri a promessa feita acima, desculpa, fica com raiva não, foi força de hábito.

Sampa

(Caetano Veloso)

Alguma coisa acontece no meu coração
Que só quando cruza a Ipiranga e a avenida São João
É que quando eu cheguei por aqui eu nada entendi
Da dura poesia concreta de tuas esquinas
Da deselegância discreta de tuas meninas
Ainda não havia para mim Rita Lee
A tua mais completa tradução
Alguma coisa acontece no meu coração
Que só quando cruza a Ipiranga e a avenida São João
Quando eu te encarei frente a frente não vi o meu rosto
Chamei de mau gosto o que vi, de mau gosto, mau gosto
É que Narciso acha feio o que não é espelho
E à mente apavora o que ainda não é mesmo velho
Nada do que não era antes quando não somos mutantes
E foste um difícil começo
Afasto o que não conheço
E quem vende outro sonho feliz de cidade
Aprende depressa a chamar-te de realidade
Porque és o avesso do avesso do avesso do avesso
Do povo oprimido nas filas, nas vilas, favelas
Da força da grana que ergue e destrói coisas belas
Da feia fumaça que sobe, apagando as estrelas
Eu vejo surgir teus poetas de campos, espaços
Tuas oficinas de florestas, teus deuses da chuva
Pan-Américas de Áfricas utópicas, túmulo do samba
Mais possível novo quilombo de Zumbi
E os novos baianos passeiam na tua garoa
E novos baianos te podem curtir numa boa

5 comentários:

Dual disse...

muito bom seu texto e a musica é sem comentários..

parabens pelo blog

Sobre a blogueira de plantão.. disse...

Sou do Rio então minha musica é " O rio de janeiro continua lindo..!" Mais adorei seu blooog,sucesso ai! se puder leia o meu e diga oque achou?
obrigada de verdade desde de já :)

http://seilaasvezesirrita.blogspot.com/2010/01/viver-vida-naonao-e-sobre-novela-das-8.html

Guilherme Bayara disse...

Amo São Paulo de paixão. Minha segunda cidade preferida no Brasil xD
Gosto das músicas do Caetano, mas não simpatizo com a figura dele.

Mariana disse...

São Paulo é a melhor cidade do Brasil tenho certeza. Aqui temos de tudo pra todos os gostos e bolsos e vc mais uma vez com seu humor na medida certa homenageou nossa cidade que realmente merece

BJS

Linny... disse...

minha mãe vivia cantanmdo essa música pra mim
mas ela ser muito bonitinha
-*
gostei do seu blog